Busque por temas

Em alta

Preocupação com ESG precisa estar na pauta do RH

Preocupação com ESG precisa estar na pauta do RH

Pressionadas por mercado, sociedade e colaboradores, organizações devem prestar atenção em adequar sua cultura; área de Pessoas tem dever de espalhar mensagem, mas também precisa se comprometer com questões ambientais, sociais e de governança

Como o Grupo Algar repaginou o conceito de universidade corporativa

Thais Pazini, líder de cultura e aprendizagem da UniAlgar, explica como funcionam os ecossistemas de aprendizado e os benefícios para os mais de 17 mil associados da empresa

Caroline Marino
30 de janeiro de 2024
Leia emminutos
Voltar ao topo

Flexibilidade tem sido uma palavra muito presente no mundo corporativo. Fala-se muito em modelos de trabalho mais dinâmicos e baseados na autonomia e protagonismo dos funcionários. Apesar de os debates estarem mais concentrados na maneira de atuar – no escritório ou em casa –, já há um movimento para a adoção de formatos mais flexíveis de educação. Começam a ganhar força os ecossistemas de aprendizagem, que são baseados na diversidade de conteúdos, lugares e fontes de estudo, com mais peso ao ensino informal, aquele que corre pelos “corredores nas empresas” e está em todos os níveis. Essa é a aposta do Grupo Algar, que possui em torno de 17 mil associados divididos em quatro negócios: Algar Telecom, Algar Tech, Algar Farming e Aviva, que engloba Rio Quente Resorts e Costa do Sauípe, além de três unidades corporativas. 

“Com o avanço da tecnologia, a entrada das novas gerações no mercado de trabalho e a busca por autonomia e flexibilidade, percebemos que era preciso reestruturar a aprendizagem, até então feita por meio da nossa universidade corporativa”, explica Thais Pazini, líder de cultura e aprendizagem da UniAlgar.

Implementamos um modelo mais engajador, no qual as pessoas estão realmente no centro e são protagonistas do seu desenvolvimento e da sua carreira.

Segundo ela, a ideia foi trabalhar para desconstruir velhas ideias sobre ensino e apontar novos caminhos de desenvolvimento, com menos foco nos treinamentos formais em sala de aula. No lugar, surge a criação de um ambiente que permite a fluidez de conhecimento em diferentes formatos e com professores e alunos que ensinam e aprendem alternadamente. Veja, a seguir, como foi esse processo de mudança.

O Grupo Algar conta, há 25 anos, com uma universidade corporativa, a UniAlgar, em um processo mais tradicional e usual de treinamento e ensino. O que levou a empresa a repensar esse modelo e investir nos chamados ecossistemas de educação?

De dois anos para cá, começamos a perceber que as empresas do Grupo já não estavam vendo tanto valor nesse modelo de ensino. Precisávamos repensá-lo, tendo em vista as tantas mudanças dos últimos anos, como avanço da tecnologia, entrada das novas gerações no mercado de trabalho e busca por mais autonomia e flexibilidade. Fizemos várias pesquisas até chegar aos ecossistemas de aprendizado, uma nova maneira de aprender e fornecer conteúdo. Para isso, tivemos que sair do formato de comando e controle, com trilhas formatadas, um plano de desenvolvimento individual estruturado e listas de presença. Implementamos um modelo mais engajador, no qual as pessoas estão, realmente, no centro e são protagonistas do seu desenvolvimento e da sua carreira. A ideia é ampliar o olhar para oportunidades de aprendizados informais, que já estão no dia a dia da companhia, e estimular os profissionais a terem autonomia sobre a jornada de aprendiz.

Qual foi o primeiro passo para a mudança?

Por se tratar de um tema novo, buscamos uma consultoria especializada em ecossistemas de aprendizagem para redesenhar a atuação e o papel da UniAlgar na aprendizagem. Ficamos um ano fazendo um diagnóstico da companhia, o que envolveu entrevistas com os funcionários para entender se o modelo fazia sentido; reestruturação de toda a governança, já que contamos com quatro empresas e três unidades corporativas, que são diferentes entre si; e desenho de um plano de ação.

Em 2021, lançamos o Manifesto da Cultura Algar para iniciar o processo de ressignificação do que é aprender, ampliar o olhar para oportunidades de ensino informais e estimular os profissionais a terem autonomia sobre o desenvolvimento. Com o mote “Se não te dissessem o que aprender, o que você aprenderia?”, uma adaptação do livro Se Joga que Aqui Tem Rede: um desmanual para comunidades de aprendizagem autodirigida, de Alex Bretas e Conrado Schlochauer, e o apoio da consultoria externa, começamos a estruturar um hub no qual a universidade passa a ser uma facilitadora. Nossa estratégia foi trabalhar para desconstruir velhas ideias e apontar novos caminhos de desenvolvimento, saindo de uma cultura de educação para uma de aprendizagem. 

Que iniciativas deram suporte para a criação dessa cultura de aprendizagem?

A primeira foi a realização da campanha “Aprender a Aprender” com o intuito de conscientizar as pessoas sobre a importância da mudança, mostrar os caminhos para isso, estimular a autonomia e posicionar as lideranças nesse processo. Acreditamos muito nos líderes como exemplo, por isso, trabalhamos na conscientização e capacitação de todos os gestores para a criação de um espaço de confiança e seguro psicologicamente para que os profissionais consigam, de fato, aprender no dia a dia e entender que isso acontece em todos os momentos e não apenas em sala de aula. Além disso, incentivamos a colaboração e o compartilhamento de conhecimento.

Outra ação foi a realização do documentário Um eterno aprendiz gravado no metaverso com Luiz Alberto Garcia, presidente do conselho de administração. Ele tem 86 anos e é uma referência do aprendizado autodirigido, ainda colocando uma mochila nas costas para ir ao Vale do Silício aprender. Luiz compartilhou como segue aprendendo e ressaltou que a maior parte de seu conhecimento não veio das salas de aulas e, sim, de viagens, conversas e interações. O apoio da alta liderança é essencial para que a cultura permeie toda a empresa. Outra iniciativa foi a criação do programa Algar Top Voice para mapear e reconhecer os associados que mais geram insights e compartilham aprendizados. 

De que forma esse ecossistema acontece na prática?

Temos algumas iniciativas que o permeiam. Começamos com o Algar Top Voice, que comentei anteriormente e abrange profissionais de qualquer nível e área. Essas pessoas podem montar comunidades de diferentes assuntos. Atualmente, temos cinco com temas que vão dos técnicos aos comportamentais, como inteligência artificial, transformação de negócios, gestão de pessoas, inteligência emocional e cultura. Todos que entram na comunidade passam por uma ação de desenvolvimento para entender o que é uma comunidade de aprendizagem, o papel de cada um, as ferramentas utilizadas e como manter a comunidade em movimento. Além disso, depois de três meses, as pessoas podem formar suas próprias comunidades. Tudo isso com o acompanhamento e direcionamento de um gestor de comunidade para a ação não ficar solta.

Há, também, a ferramenta de pedidos e ofertas, na qual o funcionário pode solicitar uma ação de desenvolvimento, baseada no que precisa aprender, e a tecnologia realiza o match com quem pode ofertar esse conhecimento. Essa ferramenta está inserida na plataforma Teams, hub de colaboração que usamos, e por meio da inteligência artificial, são sugeridos conteúdos dentro do interesse de cada um, como vídeos do YouTube, artigos, podcasts e sites. Dessa forma, é possível montar uma trilha de aprendizado customizada.

Como fica o Planejamento de Desenvolvimento Pessoal (PDI) nesse novo formato de aprendizagem?

Com a mudança, reestruturamos nosso PDI e os programas de sucessão e movimentação de carreira. Isso porque, no pilar de desenvolvimento, não existe mais aquele checklist de cursos, por exemplo. Depois da avaliação de performance e da calibragem, elaboramos um framework, que chamamos de CEP+R, desenvolvido por Alex Bretas e Conrado Schlochauer. É como um mapa de aprendizagem que engloba conteúdos, experiências, pessoas e redes. Com isso, marcamos uma conversa com o executivo para entender seus desafios, metas e áreas que deseja aprimorar para, depois, elaborar um plano de carreira e desenvolvimento, e conectamos essas ações com o resultado da área em que ele atua. É um novo jeito de pensar na carreira, com mais diálogo, sem imposições e com um ciclo mais curto e dinâmico.

Qual o principal objetivo de contar com um ecossistema de aprendizado?

O objetivo central é fomentar um ambiente vivo de aprendizagem, no qual as pessoas possam se conectar, fazer curadoria de conteúdo e aprender juntas, aproveitando todo o capital intelectual que temos internamente. Com essa mentalidade, começa-se a criar um espaço permeado pela aprendizagem e as pessoas percebem que podem aprender enquanto trabalham, no dia a dia, sem precisar estar em um treinamento formal.

Pode dar um exemplo prático?

O Grupo Algar é formado por quatro empresas e três unidades corporativas e, antes desse modelo, os conhecimentos ficavam muito restritos a cada uma e era difícil escalá-los. A Telecom, por exemplo, é um dos negócios mais avançados em transformação digital e inteligência artificial, e por meio das comunidades conseguimos levar esse conhecimento para todas as empresas de forma mais rápida e ágil. Além do conteúdo compartilhado em uma comunidade sobre o tema, selecionamos profissionais da Telecom para fazer palestras e workshops sobre o tema para os outros negócios, sem custos e sem a necessidade de contratação de uma consultoria. 

Quais os principais desafios para iniciar um projeto desse tipo e o que as companhias precisam ter em mente para iniciar essa mudança?

O primeiro ponto é ter coragem de sair de uma mentalidade mais tradicional e antiga de comando e controle, listas de presença e treinamentos preestabelecidos, para iniciar uma transformação cultural. É desapegar do passado mesmo, o que é difícil pensando nas empresas com muitos anos de mercado como a Algar, que durante 25 anos pensou em treinamentos da mesma forma. Para isso, é importante que o RH mostre ao conselho os benefícios dessa nova mentalidade de aprendizagem, e que dar mais autonomia às pessoas não quer dizer que a educação corporativa ficará solta. Há uma metodologia por trás dos ecossistemas e é possível medir os resultados. O meu papel é dar apoio, mostrar os caminhos e atuar como uma facilitadora.  

Jornalista especializada em carreira, RH e liderança feminina. Passou por publicações como Você S/A, Cosmopolitan e Valor Econômico, além de colaborar para Época Negócios, Você RH e Universal Uol. É coautora de "O mundo (quase) secreto das startups e head de conteúdo da Tempo de Mulher.